• Júlia Scartezini

INSS deve pagar pensão especial e indenização por danos morais às vítimas


A Terceira Turma do TRF3 determinou que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pague pensão especial e indenização de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais), a título de danos morais, à vítima de deficiência física provocada pela Síndrome de Talidomida.


A Talidomida era um remédio comumente utilizado por mulheres, mundialmente, para o combate de enjoos durante a gravidez. No entanto, foi constatado que o remédio poderia provocar deformações ao feto, de modo que a comercialização do medicamento foi proibida em vários países do mundo.


Para a concessão de benefício da pensão especial, basta a comprovação de que a deficiência física foi provocada pelo uso do medicamento Talidomida, o que é constatado apenas por meio de exame clínico.


As pessoas que forem acometidos pela síndrome deverão receber, a título indenizatório, R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) multiplicados pelo número dos pontos indicadores da natureza e do grau de dependência resultante da deformidade física. No processo n.° 5000387-06.2018.4.03.6134, foram atribuídos 8 pontos na mensuração da incapacidade da Autora. Desse modo, O INSS foi condenado ao pagamento de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) a título de indenização por danos morais.


Por fim, os Desembargadores pontuaram que enquanto a pensão especial busca proporcionar a subsistência digna da vítima, a indenização por danos morais objetiva reparar o sofrimento experimentado.

  • email icone
  • Facebook - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Spotify
  • Campanha Livres e iguais
  • HeForShe
Entre em contato

Email: contato@maltaadvogados.com
Tel:  +55 (61) 3033-6600 | 3033-6686

Passe o mouse

NEWSLETTER